TRINDADE: DEUS é "trivolt"

(Ao final da mensagem há prédica de Romanos 8. 12-17 para download)

TRINDADE: Deus é “trivolt”

        Neste domingo a tradição litúrgica da Igreja celebra a Festa da Trindade. Na convicção da fé, confessamos que Deus é um só – não existem mais deuses – contudo Deus se mostra (apresenta, atua) em três formas: Deus é, ao mesmo tempo, Pai e Filho e Espírito Santo.
        Este é o desafio litúrgico para as celebrações deste domingo: explicar o que é a Trindade; como ela funciona e o que ela tem haver conosco. De acordo com o Lecionário, este ano os textos de Isaías 6. 1-8, Salmo 29, Evangelho de João 3. 1-17 e, o texto da prédica, Romanos 8. 12-17 têm a função de colaborar para que entendamos este mistério da fé.
        Existem diversas formas de tentar explicar, mas (até hoje) nenhuma delas conseguiu realmente desvendar e elucidar, à nossa vã compreensão, o simples e complicado sistema trinitário. Os primeiros cristãos, dos quatro primeiros séculos, através do “Credo Romano” (ou Apostólico), e através do “Credo Niceno”, tentaram correlacionar e/ou definir as três formas de Deus agir (Trindade). Mas, foi através do “Credo Atanasiano” que a correlação, unidade e identidade da Trindade ganhou corpo.
        Ao longo da história várias teorias surgiram. Uma delas afirmava que o Pai, o Filho e o Espírito significavam três eras diferentes: o Antigo Testamento testemunhava a era do Pai, o Novo Testamento testemunhava a era do Filho e atualmente vivíamos na era do Espírito. Esta ideia foi fortemente negada, pois não tem base bíblica que a sustente.
        Poderíamos citar vários exemplos, em diversos momentos históricos, onde tentou-se explicar, interpretar e até defraudar a fé na Trindade. A melhor das explicações que já ouvi diz que a Trindade é a “comunidade perfeita”. Afirma que as três pessoas têm funções definidas e agem objetivamente. Elas dialogam entre si e se compreendem de forma plena. Em tempos de individualismos e exclusivismos egoístas esta forma de ver a Trindade pode ser útil.
        É difícil de explicar! É complicado para entender! Certa vez, um amigo (sempre é um amigo ou primo) me falou que a Trindade é o casamento perfeito (casamento entre três?). Não importa! Ele tentou explicar a unidade e personalidade da Trindade. E, quem dera as famílias se inspirassem no exemplo de diálogo e unidade que a Trindade possui. Caso assim fosse, a vida familiar poderia ser mais saudável e prazerosa.
        Eu, no trabalho com jovens, já tentei explicar com várias metáforas. Já comparei a Trindade com a água que pode ser líquida, sólida ou gasosa e não deixa de ser água; na época dos aparelhos “mini-system”, expliquei que o aperelho reproduz CD, Fita K7 e Rádio. Porém, a fita caiu em desuso e o MP3 acabou com a brincadeira; outras vezes falei dos três ângulos do triangulo; dos três tipos de cores no balde com água; e até do SOL com núcleo, raios e calor (energia), mas sempre percebo “furos” e impossibilidades na compreensão deste tema da fé.
        Sempre vai ser assim. É um mistério da fé. Pelo menos enquanto vivermos na esperança da ressurreição e da vida eterna. Quem sabe, depois saberemos e entenderemos tudo (1 Co 12.13). Mas, enquanto isto, vamos tentando compreender a Trindade. Por isso, estes dias pensei: “quer saber, Deus é TRIVOLT. Ele funciona em três voltagens diferentes, sem dar curto circuito ou estragar o aparelho. Nossa, Deus é super moderno mesmo!

Clique na imagem ao lado e baixe a prédica de Rm 8. 12-17 para o culto da Trindade:



Marcelo Peter